Mapeamento da Educação Superior: Minas Gerais

Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Geografia - Tratamento da Informação Espacial

Matrículas em Cursos de Graduação

Fonte: INEP, 2012

O número de matrículas, registrado pelo INEP, representa uma informação diferente do número de pessoas que frequentavam o ensino superior, registrado pelo IBGE. As matrículas são contadas no município em que o curso é ofertado, independentemente do município de residência do aluno. Já o número do IBGE indica quantas pessoas residentes em um determinado município frequentavam um curso superior, independentemente do município em que esse curso acontecesse. Há, ainda, outras duas diferenças a considerar entre esses indicadores. A primeira é que o número do IBGE é baseado em uma amostra, enquanto que o número do INEP representa o universo da população. A segunda é que um aluno pode estar matriculado em mais de um curso e o IBGE registra apenas o número de pessoas e não o de matrículas.

Mesmo com essas diferenças, o número de matrículas do INEP seguiu, em 2010, uma distribuição parecida à do número de pessoas que frequentavam o ensino superior do IBGE, com uma forte concentração em cidades maiores. Das 670.458 matrículas registradas pelo INEP, em 2010, 475.928, ou seja, 71,0% do total, vieram de municípios com mais de 100.000 habitantes e, somente na capital, foram registradas 193.696, ou seja, 28,9% do total.

A existência de uma IES de maior porte em um município afeta a correlação entre a distribuição das matrículas e a distribuição da população, que ainda assim apresentava um fator de correlação de 0,963. Exemplos disso são o município de Viçosa, 6º maior em número de matrículas em 2010, mas 49º em número de habitantes, e Lavras, 11º maior em número de matrículas em 2010, mas 32º em número de habitantes.

Fonte: INEP, 2012

Uma IES de maior porte não só atrai matrículas de estudantes do próprio município, como também atrai dos municípios vizinhos. Esse efeito é ainda mais sensível em municípios com pequena ou média população, elevando consideravelmente a relação entre matrículas e habitantes do município. Em 2010, os cinco municípios que tinham a maior relação de matrículas por mil habitantes foram:

Fonte: INEP, 2012

Considerando todos os cursos do estado, o número médio de matrículas por curso presencial foi 178,9. No entanto, a média entre municípios desse número foi 112,9 matrículas por curso. Essa redução é resultado da alta concentração de cursos com grande número de matrículas em cidades com maior população. Por exemplo, em Belo Horizonte, a média de matrículas por curso foi 252,0, para uma oferta de 696 cursos presenciais.

A concentração de matrículas nas grandes cidades também pode ser percebida pelo fato de 31,4% das matrículas, isto é, 175.438, foram registradas na capital e, as 29 cidades com mais de 100.000 habitantes somaram 410.112 matrículas, o que representa 73,3% do total.

Fonte: INEP, 2012

Em 2010, os cursos a distância de graduação alcançaram 111.163 matrículas, cerca de 1/5 do volume em cursos presenciais. Dessas, 18.258 matrículas (16,4%) foram registradas em cursos ofertados na capital e 65.816 (59,2%) foram registradas em cursos ofertados nos 29 municípios com mais de 100.000 habitantes.

A média estadual foi 39,9 matrículas por curso, mas é importante observar que os dados do INEP consideram que cada polo de oferta de um curso a distância é registrado como um curso. Entre os municípios em que houve oferta de cursos a distância, a média das médias de matrículas por curso foi 32,3, e entre os municípios com mais de 100.000 habitantes, essa média foi 41,9. Na capital, a média foi 53,9 matrículas por curso.

Fonte: INEP, 2012

Apesar dos cursos de bacharelado terem representado 45,7% do total de cursos ofertados em 2010, o número de matriculas em bacharelados atingiu 71,6% do total de matrículas. Considerando todo o estado, a média de matrículas por curso foi 177,5. No entanto, a média das médias municipais de matrículas por curso, entre os municípios que ofertaram cursos a distância, foi 95,3, o que indica a concentração das matrículas em cursos de determinados municípios.

Na capital, foram registradas 144.152 matrículas em cursos de bacharelado, representando 30,0% do total, e na soma dos municípios com mais de 100.000 habitantes, foram registradas 351.934 matrículas, representando 73,4% do total.

Ainda do total de matrículas, 92,4% foram em bacharelados presenciais e 7,6% foram em bacharelados a distância.

Fonte: INEP, 2012

As matrículas em cursos de licenciatura, registradas em 219 municípios, representaram 19,0% do total de matrículas em cursos de graduação. No âmbito do estado, a média de matrículas por curso foi 74,6. Entretanto, a média das médias municipais foi de 55,5 matrículas por curso. Na capital, foram registradas 24.910 matrículas (19,5%), com uma média de 125,2 matrículas por curso. Na soma dos municípios com mais de 100.000 habitantes, foram registradas 74.447 matrículas (58,3%).

76.787 matrículas (60,2%) foram em cursos de licenciatura presenciais, com uma média estadual de 101,2 matrículas por curso, e 50.821 matrículas (39,8%) foram em cursos a distância, com uma média estadual de 53,4 matrículas por curso.

Fonte: INEP, 2012

As matrículas em cursos superiores de tecnologia representaram apenas 9,3% do total de matrículas em curso de graduação, somando 62.431 matrículas. Dessas, 24.152 (38,7%) foram registradas na capital e 49.065 (78,6%) foram registradas no total dos municípios com mais de 100.000 habitantes.

Do total de matrículas nos cursos superiores de tecnologia, as matrículas em cursos presenciais alcançaram 61,8% do total, somando 38.577 matrículas com uma média de 97,9 matrículas por curso. As matrículas nos cursos a distância representaram 38,2% do total, somando 23.854 matrículas com uma média de 21,9 matrículas por curso.

Referências:

INEP. Microdados Censo da Educação Superior. INEP, 2012. Disponível em: <ftp://ftp.inep.gov.br/microdados/micro_censo_edu_superior2010.zip>. Acesso em: 03 ago. 2012.

Elaboração: Prof. Marcos André Silveira Kutova
Orientação: Prof. Dr. João Francisco de Abreu
Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Geografia - Tratamento da Informação Espacial
Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

© PUC Minas, 2013. Todos os direitos reservados, de acordo com o art. 184 do Código Penal e com a lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. Proibidas a reprodução, a distribuição, a difusão, a execução pública, a locação e quaisquer outras modalidades de utilização sem a devida autorização da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.